Os tribunais seculares e conflitos em igrejas
conflito
Conflitos públicos na igreja
julho 17, 2023
Humildade durante o conflito
julho 21, 2023

Os tribunais seculares e conflitos em igrejas

Nota do editor: Este é o nono de 15 capítulos da série da revista Tabletalk: Conflito na igreja.

“Por que não preferir ser defraudado?”. A pergunta de Paulo em 1 Coríntios 6:7 dificilmente poderia ser mais contracultural e mais contraintuitiva para um coríntio. Corinto foi infundido com a paixão por status, sucesso e honra pessoal. A capacidade de alcançar essas aspirações por meio de ambição, posicionamento e imagem era considerada sabedoria. Os cristãos em Corinto permaneceram profundamente influenciados — poderíamos dizer infectados — por essa sabedoria cultural e sua sedução por ela resultou em divisão de liderança, tolerância de imoralidade escandalosa e agora o litígio de queixas perante os tribunais de incrédulos. Seu pai espiritual ficou tão chocado com essa conduta (e com a condição subjacente do coração que ela revelou) que, embora anteriormente não estivesse disposto a envergonhá-los por seu mau comportamento (1 Co 4:14), agora os envergonha (6:5) com oito perguntas minuciosas em apenas sete versículos (vv. 1–7). O apóstolo achou chocante e vergonhosa a realidade de os cristãos levarem outros cristãos ao tribunal civil para resolver diferenças pessoais.

Ele ficou escandalizado por dois motivos. Primeiro, a conduta dos coríntios traiu seu testemunho do que Cristo, ao inaugurar Seu reino em Sua igreja, fez (vv. 2-3), e segundo, contradiz a sabedoria que Cristo está dando e deu à Sua igreja (v. 5). Sua imaturidade e incompetência, evidenciadas no fato de processos civis entre os crentes, desonraram Aquele a quem afirmavam conhecer como sabedoria, justiça, santificação e redenção de Deus (1:30).

A solução de Paulo para esse escândalo foi aplicar a sabedoria do evangelho da cruz de Cristo às queixas deles. O apóstolo modelou isso para eles, vindo a eles não à maneira dos grandes homens da cultura, mas na fraqueza em forma de cruz (1:17). Sua aceitação da loucura da cruz o tornou disposto a ser desprezado e sofrer calúnia com súplica e humildade (4:9-13), e como posteriormente lhes dirá, até desistiu de seus direitos entre eles por causa do evangelho (9:3-18). Em toda essa “loucura”, o apóstolo estava apenas imitando o padrão do Cristo a quem ele pregava (1:18-25). Portanto, sua pergunta indagadora para aqueles que afirmavam acreditar em sua mensagem da cruz e serem salvos por ela e ainda litigavam por vindicação pessoal e vitória uns com os outros era: “Por que não tomar a cruz?” “Por que não sofrer o dano?” (6:7).

Não é que Paulo estivesse impedindo os cristãos de buscarem a resolução das queixas reais (muito presentes) que os cristãos poderiam ter uns com os outros. Mas devem ser capazes de usar a sabedoria que Deus concedeu e a igreja para fazer isso (v. 5). O próprio Cristo deu aos crentes um processo de apelar uns aos outros na esperança de “ganhar” o outro quando a ofensa ocorreu. Esse processo envolve a ajuda de outros crentes e pode até, em casos de resistência proveniente de um coração duro, envolver a ação judicial dos tribunais da igreja (Mt 18:15-20). Tampouco Paulo está proibindo o apelo à autoridade civil ordenada por Deus (Rm 13:1-7) em casos de atividade criminosa (de fato, ignorância e negligência em tais casos causam muito dano às vítimas do crime e ao nome de Cristo). Mas quando os cristãos chegam ao ponto em que estão buscando punição por ofensas pessoais perante os incrédulos, algo está profunda e terrivelmente errado com nossos corações e com nossa igreja.

Os cristãos de Corinto precisavam de uma correção cruciforme para a orientação de seus corações em suas queixas uns com os outros na época deles. Talvez nós também precisemos. As perguntas pontuais de Paulo em 1 Coríntios 6 nos levam de volta à imitação de nosso Salvador, uma imitação que manifesta não a sabedoria autopreservadora desta era, mas a sabedoria generosa daquele que se entregou por nossos pecados e que, por Seu Espírito, agora vive em nós para nos formar à Sua semelhança (Gl 2:20).


Este artigo foi publicado originalmente na Tabletalk Magazine.

John Currie
John Currie
O Dr. John Currie é coordenador do departamento e professor de Teologia Pastoral no Westminster Theological Seminary na Filadélfia e ministro da Orthodox Presbyterian Church (OPC).