A luz da separação cristã - Ministério Ligonier
distinção
Como manter nossa distinção
maio 1, 2023
A palavra temperada com sal
maio 5, 2023

A luz da separação cristã

Nota do editor: Este é o sétimo de 19 capítulos da série da revista Tabletalk: Sal e luz.

De acordo com um artigo de 2015 no MIT Technology Review, uma única chama de vela pode ser vista a olho nu na escuridão a uma distância de mais de 2 quilômetros. Mesmo a menor luz se destaca, porque é muito diferente da escuridão ao seu redor. “Deve” ser diferente para ser vista. Se for exatamente como o ambiente circundante, não causará impacto no observador. Da mesma forma, como a luz do mundo (Mt 5:14), os cristãos devem ser diferentes no mundo, somos chamados a ser santos, colocados à parte, separados “do” mundo “para” Deus.

Mas como deve ser essa separação? Qual é sua forma? Devemos nos refugiar em comunidades do tipo Amish, evitar tudo que seja “mundano”? A igreja cristã tem uma longa tradição desse tipo de separação, com seus eremitas e monásticos remontando aos primeiros dias da igreja.

Por exemplo, por volta de 429 d.C., um cristão sírio chamado Simeão encontrou uma coluna de 4,5 metros de altura que estava entre algumas ruínas antigas, construiu uma pequena plataforma no topo e viveu lá pelos trinta e sete anos restantes de sua vida, passou seus dias em oração, leitura e meditação. Ficou conhecido como Simeão Estilita (literalmente, “o homem do pilar”) e inspirou uma sucessão de seguidores que se ergueram em colunas para se separarem do mundo abaixo.

Simeão tem seus descendentes espirituais hoje entre os cristãos que acreditam que devem ter o mínimo de contato possível com o mundo não-cristão, evitar toda programação de televisão, música, cinema e literatura seculares. Alguns crentes até evitam amizade com incrédulos. Afinal, referindo-se aos incrédulos, Paulo não diz em 2 Coríntios 6:17: “Retirai-vos do meio deles, separai-vos”?

Isso significa ser luz no mundo? Não. A primeira carta de Paulo aos coríntios deixa claro que uma separação total de tudo no mundo que não seja cristão “não” é o que a separação do mundo significa:

Já em carta vos escrevi que não vos associásseis com os impuros; refiro-me, com isto, não propriamente aos impuros deste mundo, ou aos avarentos, ou roubadores, ou idólatras; pois, neste caso, teríeis de sair do mundo (1 Co 5:9-10).

Parece que alguns em Corinto podem ter entendido essas palavras no sentido de que nunca tiveram que se afastar de qualquer tipo de interação com não-cristãos. Isso se tornou um problema particular quando foram convidados para jantar no templo pagão local. No Mundo Antigo, os complexos de templos tinham pequenas salas de jantar onde os anfitriões podiam convidar amigos para uma refeição (Corinto tinha pelo menos treze templos como este). A carne do cardápio seria proveniente dos sacrifícios oferecidos ao deus ou deusa do templo e orações seriam oferecidas a essa divindade no decorrer da refeição. Uma circunstância era ir à casa de um incrédulo e comer carne comprada no mercado que poderia ter sido sacrificada a um ídolo — Paulo não proíbe isso (1 Co 10:27) — mas comer no templo de um ídolo é participar com incrédulos em um ato de adoração pagã, algo que Paulo descreve como “um jugo desigual com os incrédulos” (2 Co 6:14).

Imagine dois animais sendo unidos para puxar um arado, um é um boi enorme e poderoso e o outro é um gato doméstico. Essa é a imagem que Paulo está usando, e seu argumento é que não há como criaturas tão diferentes trabalharem juntas em qualquer tipo de harmonia. Seria o cúmulo da loucura tentar fazê-los. Um boi e um gato podem viver juntos na mesma fazenda, cada um se beneficiando de maneiras diferentes da contribuição do outro para o funcionamento da fazenda. Mas não podem ser companheiros de jugo, precisam ser separados.

Os cristãos precisam entender que há situações em que devem se separar dos não-cristãos para evitar o “jugo desigual”. Paulo enfatiza esse ponto com cinco pares de realidades completamente contraditórias e incompatíveis: justiça e iniquidade, luz e trevas, Cristo e Belial, crentes e incrédulos, e o templo de Deus e o templo dos ídolos. Crentes e incrédulos pertencem a dois reinos tão diferentes que simplesmente não podem ser unidos. Não apenas puxam em direções diferentes, mas também em direções completamente “opostas.

Este princípio tem muitas aplicações relevantes e desafiadoras nos dias de hoje. Aplica-se a qualquer tipo de culto multi-religioso: como um cristão e um muçulmano podem adorar juntos no culto? Estariam em direções opostas. Aplica-se à membresia de uma igreja que abandonou o evangelho e caiu em heresia. Certamente se aplica ao casamento, pois não há relacionamento mais próximo entre dois seres humanos do que a união de uma só carne de marido e mulher que estão sob o mesmo jugo por toda a vida. Com certeza se aplica por extensão ao relacionamento de namoro ou namoro antes do casamento, no qual um homem e uma mulher estão unidos em um relacionamento sério enquanto exploram a possibilidade de casamento. Muitas vezes é difícil para os cristãos ter não-cristãos como amigos íntimos, dadas as diferenças fundamentais e radicais que existem entre nós. Parcerias comerciais com não-cristãos podem ser difíceis, porque os valores e prioridades são muito diferentes.

Essa separação pode envolver perdas e sacrifícios dolorosos, especialmente quando há amigos envolvidos. Podemos ser ridicularizados como fanáticos hipócritas e tacanhos. Mas brilharemos como luzes na escuridão, e trazer glória a Deus e dar testemunho ao mundo ao nosso redor. Mais, há um encorajamento maravilhoso para resistir isso em 2 Coríntios 6:17-18,  pois o próprio Deus promete àqueles que deixam Sua luz brilhar dessa maneira, que são escarnecidos e insultados por causa da santidade, que são mal compreendidos, deixados de lado e sem amigos: “Eu vos receberei e serei um pai para vós, e vós sereis filhos e filhas para mim, diz o Senhor Todo-Poderoso.” Sem dúvida isso compensa muito mais do que qualquer perda ou dor.


Este artigo foi publicado originalmente na Tabletalk Magazine.

Warren Peel
Warren Peel
O Rev. Warren Peel é pastor da Trinity Reformed Presbyterian Church em Newtownabbey, Irlanda do Norte.