O que é um meio de graça? - Ministério Ligonier
Os meios ordinários da graça
março 11, 2022
A Palavra de Deus como meio de graça
março 16, 2022

O que é um meio de graça?

Uma breve pesquisa dos cinquenta livros cristãos mais vendidos revela quais assuntos são de maior ou menor interesse para a maioria dos cristãos professos. Livros sobre propósito, finanças, personalidade, autoestima, linguagens do amor e limites relacionais dominam a lista. Livros sobre o Deus trino, Cristo, pecado, evangelho, Escritura, pregação, sacramentos, oração, disciplina da Igreja e igreja local estão lamentavelmente ausentes. Uma vez que Jesus Cristo e Sua obra salvífica formam o fundamento da nossa fé (1Co. 2:2; 3:11), devemos estar mais preocupados em saber como crescer na graça e no conhecimento de Cristo (2Pe 3:18). Nosso crescimento na graça de Cristo será proporcional ao nosso uso dos meios que Deus designou. Os teólogos se referem a eles como “meios de graça” (media gratia).

Os meios de graça são os instrumentos designados de Deus pelos quais o Espírito Santo capacita os crentes a receber Cristo e os benefícios da redenção. [1] Embora Ele pudesse ter escolhido revelar Cristo imediatamente ao Seu povo, Ele determinou, antes, fazê-lo através de certos meios. Deus designou a Palavra, os sacramentos e a oração para serem os meios principais pelos quais Ele comunica Cristo e Seus benefícios aos crentes.

Jesus ensina que as Escrituras são o meio principal e indispensável da salvação (Lc. 16:31; 24:27, 44-45). A pregação da Palavra de Deus era central no ministério dos apóstolos (At. 2:22, 41; 4:4; 5:20; 6:7; 12:24; 15:7, 32, 36; 16:14; 19:20; 20:32). Paulo explica, em Romanos 10:17, “a fé vem pela pregação, e a pregação, pela palavra de Cristo.” Os apóstolos deram o mais alto valor à Palavra de Deus como o meio de salvação e santificação dos crentes (Cl. 3:16; Hb. 5:14; Tg. 1:18, 21, 25; 1Pe. 2:2).

A Escritura também ensina que Deus designou os sacramentos para serem meios de graça. Paulo faz a conexão entre batismo e graça da salvação quando escreve, “[Deus] nos salvou mediante o lavar regenerador e renovador do Espírito Santo” (Tt. 3:5). Ele se refere ao “cálice da bênção” (1Co. 10:16) quando fala da Ceia do Senhor. A graça salvífica de Cristo é comunicada espiritualmente aos fiéis quando eles participam da Ceia pela fé. Por outro lado, aqueles que participam “indignamente” (isto é, em descrença) podem estar sujeitos ao julgamento de Deus (1Co. 11.27-32).

A oração é também um meio de graça, de acordo com a Escritura. Deus prometeu redenção a todos que o invocam em verdade. No dia de Pentecostes, Pedro declarou: “E acontecerá que todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo” (At. 2:21).

Encontramos uma definição histórica útil de meios de graça no Breve Catecismo de Westminster, onde lemos: “Os meios exteriores e ordinários pelos quais Cristo nos comunica as bênçãos da redenção são as suas ordenanças, especialmente a Palavra, os sacramentos e a oração, os quais todos se tornam eficazes aos eleitos para a salvação” (BCW, pergunta 88).

Como os meios de graça se tornam eficazes? Como eles funcionam? Eles não funcionam por si mesmos (ex opere operato), como a Igreja católica romana insiste. Pelo contrário, eles operam pelo Espírito de Deus nos corações dos eleitos, mediante fé. Como o Breve Catecismo de Westminster, pergunta 91 explica:

Os sacramentos tornam-se meios eficazes para a salvação não por alguma virtude que eles ou aqueles que ministram tenham, mas somente pela bênção de Cristo e pela obra do seu Espírito naqueles que pela fé os recebem.

Os membros da Assembleia de Westminster não acreditavam, no entanto, que todos os meios de graça são igualmente eficazes: “O Espírito de Deus torna a leitura e, especialmente, a pregação da Palavra, meios eficazes para convencer e converter os pecadores, para os edificar em santidade e conforto, por meio da fé para salvação” (BCW, pergunta 89). O teólogo reformado Geerhardus Vos deu uma base lógica para a prioridade da Palavra sobre os sacramentos quando escreveu:

Se necessário, podemos pensar a Palavra como um meio de graça sem sacramento, mas é impossível pensar o sacramento como meio de graça sem a Palavra. Os sacramentos dependem da Escritura, e a verdade da Escritura fala neles e através deles.

Da mesma forma, a oração se torna meio de graça somente quando é moldada pela verdade da Escritura. O Espírito Santo toma a Palavra e capacita os crentes a orar de acordo com a vontade de Deus.

Se quisermos crescer na graça, devemos reconhecer que Deus designou certos meios para esse crescimento. Devemos abordar esses meios com ávida expectativa e dependência de uma criança nAquele que adiciona Sua bênção a eles, e precisamos permanecer contentes no uso correto deles, sabendo que Deus prometeu abençoá-los à medida que os usarmos com corações arrependidos e fiéis.

Este artigo foi publicado originalmente na Tabletalk Magazine.

Nicholas Batzig
Nicholas Batzig
O Rev. Nicholas T. Batzig (@Nick_Batzig) é o pastor principal da Church Creek PCA em Charleston, S.C., e editor associado de Ministério Ligonier. Ele escreve no seu blog Feeding on Christ.